Muitos desafios pela frente…


Escassez de terrenos, juros altos e falta de mão de obra são questões que precisam ser consideradas para o planejamento de atividades

Para o vice-presidente do Sinduscon, José Francisco Cançado, o aumento dos juros é um fator inibidor para as atividades produtivas
Para o vice-presidente do Sinduscon, José Francisco Cançado, o aumento dos juros é um fator inibidor para as atividades produtivas
A nova fase do programa Minha casa, minha vida e as perspectivas da continuidade do incremento do crédito imobiliário, em um ambiente com baixa taxa de desemprego, trazem otimismo para o setor. A Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) acredita que o financiamento imobiliário, com os recursos da poupança, totalize R$ 85 bilhões. Caso confirmado, esse resultado indicará crescimento de 51% em relação a 2010. Já o número de unidades financiadas (também com recursos da poupança) poderá chegar a 540 mil, o que implicaria alta de 28% em relação ao ano passado. Além disso, as obras de infraestrutura em geral, com destaque para as demandadas pela Copa do Mundo e Olimpíadas, ajudam a projetar um ambiente promissor para o segmento.

Apesar das perspectivas positivas, o desenvolvimento da construção civil encontra alguns desafios pela frente. Novas fontes alternativas de crédito imobiliário, a falta de mão de obra qualificada, a forte competição no mercado, a escassez de terrenos, o aumento da participação do crédito imobiliário no PIB, os juros altos, o elevado custo da mão de obra, a baixa taxa de investimentos no país, a burocracia no licenciamento dos empreendimentos e a precária infraestrutura são algumas das principais questões que precisam ser consideradas para o planejamento de atividades.

Segundo José Francisco Couto de Araújo Cançado, vice-presidente da área imobiliária do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG), a atuação das empresas e do sindicato na capacitação da mão de obra e na adoção de novas tecnologias e equipamentos que ajudam a otimizar as obras ainda não foram suficientes para atender a demanda por profissionais. A escassez de mão de obra é entendida quando se veem os números. O número de unidades vendidas nos últimos dois anos ultrapassou a casa dos 6 mil, contra uma média histórica de 3 mil. E a área licenciada pela prefeitura para edificações saltou de 1 milhão de metros quadrados em 2006, para 5 milhões de metros quadrados ano passado.

No campo econômico geral do país, as expectativas sinalizam que o PIB nacional, apesar de positivo, ficará inferior ao registrado no ano passado. O Banco Central projeta alta de 4,5%, a mesma estimativa realizada pelo Fundo Monetário Internacional (FMI). Aliás, a expansão da economia, em torno de 4,5%, é quase um consenso entre os analistas de mercado. É preciso lembrar da forte base de comparação que foi 2010 e considerar que o novo dinamismo pode ser mais sustentável.

INFLAÇÃO

Para tentar conter o avanço da inflação, que, em janeiro, ganhou maior destaque nas preocupações dos analistas, o Comitê de Política Monetária (Copom), em sua primeira reunião este ano, aumentou a taxa de juros (Selic) para 11,25%. “O aumento dos juros é um fator inibidor para as atividades produtivas e para o investimento do país. Os efeitos maléficos dos juros altos passam, ainda, pelo maior custo de capital de giro das empresas e encarecimento do crédito ao consumidor. Os juros altos quebram esse ciclo virtuoso pelo qual a economia passa atualmente”, aponta José Francisco.

Nesse contexto, o corte de gastos anunciado pelo governo foi visto como um ponto positivo pelo setor. A medida foi interpretada como uma iniciativa que demonstra que não se concentrará somente na política monetária (juros) a tentativa de resolver a questão do aumento dos preços na economia, mostrando que o governo federal não está abandonando a autoridade monetária no combate à inflação, já que a estabilidade dos preços é uma questão essencial para manter o equilíbrio macroeconômico do país. O corte significa também que o governo está preocupado em colocar as contas públicas no seu caminho. “Os investimentos produtivos na economia dependem de um saudável ambiente econômico, que proporciona maior garantia e estabilidade”, garante José Francisco.

Anúncios

Nos ajude a fazer o melhor. Deixe aqui seu comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s