Obras do PAC deixam nicho de mercado livre para empresa da construção civil


Terram planeja dobrar seu faturamento focando apenas em obras para indústrias, segmento pouco explorado por grandes companhias

Com as grandes construtoras focadas em obras públicas, como as do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do Governo Federal, companhias menores têm encontrado espaço para crescer em nichos menos explorados. Esse é o caso da Terram, empresa de terraplanagem, drenagem e pavimentação que atua exclusivamente com o setor privado, com foco no segmento industrial.

A pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), divulgada no último dia três de maio, mostrou que o nível de atividade da construção civil está, como um todo, estável em relação aos meses anteriores. “No segmento específico que nós atuamos, o que sentimos é uma franca expansão”, complementa José Roberto Briguenti, um dos sócios e fundador da Terram. Atualmente, a empresa concorre em 20 grandes projetos; outros 60 estão em fase de prospecção. Todos esses potenciais juntos representam cerca de R$ 800 milhões em serviços.

Outros valores que animam os executivos da companhia são os do crescimento da indústria brasileira que, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), alcançou em março o mais elevado patamar de produção desde que começou a ser medido pelo instituto. “Essa alta estimula as empresas a ampliar e renovar suas instalações, o que deve gerar ainda mais atividades para nós”, comemora Diego Briguenti, diretor comercial da Terram. “O ambiente é bastante promissor. Queremos multiplicar por cinco o tamanho da companhia até 2016”, afirma.

O crescimento vertiginoso da empresa começou no ano 2000, quando a Terram passou a focar o segmento industrial. Na época, a empresa tinha 60 funcionários e seu faturamento não ultrapassava os R$ 5 milhões. Em 2010, esses números saltaram para 450 e R$ 86 milhões, respectivamente. Com os novos negócios previstos para este ano, a expectativa é que o faturamento dobre.

Para continuar crescendo, a Terram preocupou-se em deixar a “casa em ordem”. As contas da companhia são auditadas pela Ernst & Young, o que garante a credibilidade dos processos. Já o processo de ERP (Enterprise Resource Planning), hoje em fase final de implantação, começou a ser desenhado há cinco anos, a partir da análise de uma consultoria especializada. O ERP ou SIGE (Sistemas Integrados de Gestão Empresarial, no Brasil) são sistemas de informação que integram todos os dados e processos de uma organização em um único sistema. A integração pode ser vista sob a perspectiva funcional (finanças, contabilidade, recursos humanos, fabricação, marketing, vendas, compras, etc) e sob a perspectiva sistêmica (processamento de transações, informações gerenciais, apoio a decisão, etc).

“Estamos conscientes que o planejamento e a organização são fundamentais a qualquer empresa, seja ela familiar ou não. Somente nessa linha de trabalho é possível ter um crescimento ordenado”, enfatiza Sabino Muniz, outro sócio e também fundador da Terram.

Anúncios

One thought on “Obras do PAC deixam nicho de mercado livre para empresa da construção civil

Nos ajude a fazer o melhor. Deixe aqui seu comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s