AS CASAS DO FUTURO NA VISÃO DE ONZE ARQUITETOS -RESERVA REAL



Profissionais do Brasil e do exterior exibem 21 projetos de residências na exposição 21×11, que mostrará tendências de design e estilo de vida para as próximas décadas. As residências expostas foram desenhadas para o condomínio Reserva Real, empreendimento que o grupo Design Resorts está construindo em Jaboticatubas

Belo Horizonte, maio de 2011 – Projetos de 11 arquitetos brasileiros, dinamarqueses, portugueses e belgas esboçarão as tendências de arquitetura e urbanismo na Exposição21x11, que ocupará os espaços do Museu das Minas e do Metal, na Praça da Liberdade, em Belo Horizonte, a partir da quinta-feira (12). Essa é a primeira vez que uma mostra reúne trabalhos de profissionais do Brasil e do exterior com o intuito de apresentar as perspectivas de design e estilo de vida em um futuro muito próximo. O evento trará a visão de futuro dos arquitetos em 21 residências desenhadas exclusivamente para o condomínio Reserva Real, que está sendo construído pelo grupo europeu Design Resorts, em Jaboticatubas, no Vetor Norte da Região Metropolitana de Belo Horizonte e já é considerado único no mundo, devido às suas características e peculiaridades.

Entre os ilustres nomes da arquitetura brasileira estão Angela Roldão, Bruno Santa Cecília, Carlos Eduardo Dumont (mais conhecido como Carico), Gustavo Penna, Julia Paternostro e Marcelo Montoro. Os europeus João Manuel, Ana Duarte Pinto, Julien de Smedt, Paulo Pontes, Pedro Barata e Rodrigo Sampayo dão o toque internacional à exposição. “Reunimos nomes incomparáveis para trazer ao público mineiro o que existe de mais atual e moderno na arquitetura contemporânea”, explica o presidente e CEO do grupo europeu Design Resorts, José Miguel Martins.

Projetos

A exposição 21×11 apresentará, entre outras coisas, residências com soluções de sustentabilidade, como os dois projetos assinados pela equipe do arquiteto Gustavo Penna, em que recursos alternativos foram utilizados para garantir economia de água, energia e a preservação da natureza. Na Casa Tragaluz, por exemplo, há painéis de aquecimento solar, sistema de fossa ecológica, reaproveitamento da água da chuva e preservação de área permeável do terreno.

Clique nas fotos para ampliar:

Além disso, muitas maquetes exibirão a relação das moradias com a paisagem, com as famílias e com o meio ambiente. Algumas delas trarão elementos que relembram a história e a cultura mineira. “Tivemos liberdade para criar, então buscamos ideias que falassem da Minas universal: respeito à cultura, à natureza e à história. São formas simples que carregam significados profundos”, explica Gustavo Penna.

Alguns profissionais que participam da exposição preferem dizer que seus trabalhos não mostrarão tendências. Na opinião do arquiteto Bruno Santa Cecília, não é adequado relacionar o habitar, que é uma necessidade cultural, com alguma tendência, que é algo efêmero e, muitas vezes, superficial. “A arquitetura tem de lidar com a permanência de algo pelo menos 30, 50 anos, porque há muito esforço e recursos envolvidos”, informa o profissional.

Estilo de vida

Além das tendências de arquitetura, a exposição também proporá uma discussão quanto às perspectivas do urbanismo e do jeito de morar dos belo-horizontinos para as próximas décadas. Um dos pontos que serão abordados é a necessidade que muitas famílias têm de se distanciar dos centros urbanos, devido à sobrecarga das grandes cidades. “Com o inchaço das metrópoles, as pessoas estão optando, cada vez mais, por residências em regiões afastadas, que ofereçam espaço para o lazer e o contato com a natureza”, explica José Miguel.

Segundo a arquiteta Angela Roldão, a procura por uma qualidade de vida melhor já é um fato determinante na escolha do local de moradia. “Para os mais privilegiados, a tendência é a busca por condomínios, onde há tranquilidade e segurança, geralmente distanciados das metrópoles”, comenta. Já Marcelo Montoro acredita que o Vetor Norte é uma promessa bastante interessante para a capital mineira. “É melhor do que o Sul, já congestionado e cheio de gargalos. Além disso, a paisagem, ainda rural e pitoresca, é fantástica”, enfatiza.

Para o arquiteto português Paulo Pontes, a habitação afastada dos centros terá condições de ocupar espaços abertos, amplos e confortáveis em meio a uma área destinada ao lazer. “A ocupação predominantemente residencial tende a se descentralizar”, comenta. Ele concorda que, seguindo essa tendência, a ocupação do Vetor Norte será a aposta dos belo-horizontinos que priorizam a qualidade de vida, o bem-estar e as oportunidades futuras. “Vejo o crescimento dessa região de maneira bastante positiva, principalmente devido ao estrangulamento urbano da zona sul, pelo grande potencial de áreas como a Lagoa da Pampulha, a cidade administrativa, Lagoa Santa e os municípios próximos”, afirma Pontes. O arquiteto belga Julien de Smedt ressalta que a expansão da região Norte de Belo Horizonte é óbvia e já está acontecendo. “O aeroporto internacional, a cidade administrativa e a Serra do Cipó criarão novas demandas nas proximidades”, informa.

Reserva Real

Projetado para ocupar uma área de 10 milhões e 700 mil metros quadrados, o condomínio Reserva Real prevê a construção de mais de cinco mil residências. O empreendimento visa atender a uma demanda habitacional que surgirá naturalmente com a expansão imobiliária do Vetor Norte da capital mineira, devido à proximidade do aeroporto-indústria, do Polo Tecnológico de Belo Horizonte e do Centro Administrativo do Estado. Além disso, está inserido em uma área conhecida por sua biodiversidade e que integra o rico e belo ecossistema da serra do Cipó.

Conceito inovador de moradia, tecnologia, segurança, respeito e integração ao meio ambiente são as diretrizes que nortearam a concepção desse projeto imobiliário e de lazer em Jaboticatubas, baseado na experiência do grupo Design Resorts na Europa e em outras partes do mundo. Dividido em unidades como a Fly-in Community, o Complexo Hípico, o campo de golfe e centro comercial, o empreendimento mineiro será único a reunir, num mesmo condomínio, todos esses equipamentos contextualizados numa Prime Community.

O objetivo desse projeto é atender a um diversificado público em suas exigências de qualidade de vida, segurança, lazer e conforto. Dessa forma, quem gosta de cavalos poderá adquirir seu lote ou sua casa dentro do complexo hípico, quem gosta de golfe, próximo aos campos. E, para os que possuem avião, há a possibilidade de se chegar em casa aterrissando numa pista de 1.600 metros e estacioná-lo no hangar do condomínio ou na “garagem”, em sua própria residência.

Serviço

Exposição 21×11

Arquitetos: Angela Roldão, Bruno Santa Cecília, Carlos Eduardo Dumont (mais conhecido como Carico), Gustavo Penna, Julia Paternostro, Marcelo Montoro, João Manuel, Julien de Smedt, Paulo Pontes, Pedro Barata e Rodrigo Sampayo
Data: de 12 a 26 de maio
Horário: das 12h às 18h
Local: Museu das Minas e do Metal (Praça da Liberdade, s/n, Prédio Rosa), Belo Horizonte
Entrada para a exposição: gratuita
Informações: (31) 8201-4760 ou (31) 3194-7000 – Paulo Henrique

Anúncios

One thought on “AS CASAS DO FUTURO NA VISÃO DE ONZE ARQUITETOS -RESERVA REAL

  1. O empreendimento será conhecido como referência para o crescimento de toda região de Minas Gerais e em todo o mundo.

    Visão de futuro e ousadia na implantação, andando junto.Incrível!

Nos ajude a fazer o melhor. Deixe aqui seu comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s